Pular para o conteúdo
Início » Notícias » Breve história da cultura cervejeira Belga

Breve história da cultura cervejeira Belga

Dizer que “a cerveja é para a Bélgica o que o vinho é para a França” é um eufemismo. Embora a Bélgica contribua com apenas 1% da produção global de cerveja, produz 10 vezes mais per capita do que a média global. E embora, com cerca de dois bilhões de litros por ano, não seja a maior cervejaria da Europa (esse primeiro lugar é ocupado pela Alemanha), certamente ganha pela diversidade e versatilidade de sua cultura cervejeira.

Isso é algo reconhecido globalmente. Quase dois terços da produção de cerveja belga destinam-se à exportação. Desse ponto de vista, a Bélgica é, sem dúvida, a campeã europeia. Mas o que define a cultura da cerveja belga, tornando-a tão única que foi reconhecida como Patrimônio Mundial da UNESCO?

Em primeiro lugar, o grande número e diversidade de estilos tradicionais de cerveja belga, da abadia à lambic. Os estilos de cerveja belgas têm uma variedade aparentemente infinita de processos de fabricação, cor, textura, método de fermentação, leveduras usadas e, claro, o conhecimento e a tradição.

A fabricação de cerveja neste país também remonta há muito tempo, com sua história política e religião sempre intimamente entrelaçadas com a mudança da história da cerveja.

Existem vários museus da cerveja espalhados pela Bélgica, e até se diz que o ‘santo da cerveja’, St. Gambrinus está enterrado na capital, a poucos metros da Casa dos Cervejeiros. O país conta com diversos festivais de cerveja, atraindo milhares de visitantes.    

Se voltarmos no tempo em uma viagem relâmpago pela história da cerveja na nação dos Belgas. Na era galo-romana (3º-4º século dC) a fabricação de cerveja era um ofício muito feminino. Você encontrará vilas com vestígios de atividade cervejeira doméstica. Até o início da Idade Média, ‘gruut’ ou ‘gruit’ era uma parte fundamental do processo de fabricação de cerveja.    

Cultura Belga

Esta era uma mistura de ervas secreta zelosamente guardada que poderia incluir myrica, sálvia, alecrim, achillea, louro, bagas de zimbro, cominho, anis e resinas, entre outros ingredientes. As cervejarias seculares da época estavam nas mãos de poderosas guildas de cervejarias, mas com o tempo as pequenas cervejarias caseiras surgiram nas margens de rios e córregos.

Um abastecimento de água constante e próximo era, e ainda é essencial para o ofício cervejeiro. Essas cervejas eram de cor escura e não filtradas – e o processo de fermentação selvagem muitas vezes não era muito bem gerenciado.

Foram as abadias e conventos que ajudaram a elevar a qualidade da cerveja a um nível superior. Em 974, o imperador alemão Otto II concedeu o primeiro ‘gruitrecht’ (direitos de gruit) à pequena cidade de Fosses-la-ville. O lúpulo fez incursões graduais à medida que os cervejeiros descobriram que impediam a cerveja de “azedar” e melhoravam suas qualidades de conservação. A abadessa alemã Hildegard von Bingen forneceu uma descrição detalhada do funcionamento do lúpulo no século XII. 

No século 13, as primeiras cervejas lupuladas partiram de Brémen para Bruges. Outros tomaram diferentes caminhos cervejeiros. Em Bruxelas e arredores, na região de ‘Pajottenland’, as cervejas eram fabricadas com leveduras selvagens, um processo próprio do vale do Senne. Isso deu origem às cervejas Gueuze regionais e outras variedades frutadas como ‘ kriek ‘.  

Como no resto da Europa, a cerveja era vista como uma alternativa saudável à água potável, que muitas vezes era de qualidade suspeita. Estima-se que o consumo diário de cerveja na Europa medieval chegou a impressionantes um litro e meio por pessoa.

Durante o reinado de José II (1783-1787) – e mais tarde sob Napoleão – a maioria das abadias e conventos foram abolidos e, assim, os caldeirões de cerveja desapareceram. Hoje em dia você só encontra autênticos monges cervejeiros dentro das ordens trapistas, dos quais a maioria é encontrada na Bélgica (6 de 9 em todo o mundo). Em contraste com as cervejas de abadia, as cervejas trapistas são fabricadas apenas dentro das paredes da abadia

Deixe um comentário